Categoria: Linux

TinyCore: distro minimalista de apenas 10 MB, com ambiente gráfico JWM

Publicado em 11/03/2009 • geek, Linux, NotíciaPostar comentário »

por Marcos Elias, publicado no GdH

Se você acha o Puppy Linux pequeno e rápido demais, que tal conhecer uma distro com apenas 10 MB? É assim que é o TinyCore, que teve sua versão 1.2 lançada.

Várias coisas internas foram atualizadas, tornando a distro ainda mais rápida e ágil. É uma distribuição minimalista ao extremo, a começar pela imagem ISO de 10 MB. Ela traz um sistema mínimo com o X e o gerenciador de janelas JWM, e é focada em acesso por rede cabeada (de preferência com DHCP ativado). Diferentemente de distros que provam conceitos e não servem para nada prático, esta tem até um gerenciador de pacotes. Veja ela rodando com o Minefield, versão do Firefox sem marcas:

Basta usar o gerenciador de aplicações, escolher o repositório e pesquisar pelos programas disponíveis.

É uma distro curiosa para personalização de recursos quase do zero, ou para usar como liveCD em casos que exijam velocidade em máquinas fracas. Mas se você quer algo pequeno mais elaborado, com navegador embutido e mais algumas aplicações por padrão, fique com o Puppy.

Anúncio da nova versão:

http://tinycorelinux.com/forum/index.php?topic=724.0

Download (10,2 MB):

ftp://distro.ibiblio.org/pub/linux/distributions/tinycorelinux/release/tinycore_1.2.iso

Chegou o fim do Kurumin NG?

Publicado em 28/01/2009 • Linux, Kurumin, kde, Notícia, Opinião46 comentários »

por Marcos Elias

Atualização 29/01/2009@15:12: Um aviso no site do Kurumin NG, postado pelo Leandro diz que ele não morreu:
http://www.kurumin-ng.com.br/?p=23

Não farei um post longo para falar deste assunto por enquanto, porém caso vocês tenham visto alguma notícia com relação ao fim do projeto saibam que estas se tratam de boatos, o projeto está devagar mas não morreu e quando acabar eu serei o responsável por noticiar tal decisão, portanto, independente de quem está falando asneiras saibam que não é verdade.

Aos fãs, mesmo com as indecisões ou problemas que a distro está passando (até pelas cobranças dos usuários), fica um "alívio". Destaco ainda que postei com uma interrogação, questionando o projeto publicamente, baseando-me em outros comentários de usuários insatisfeitos com a distro no estado em que está. Em nenhum momento afirmei que o "Kurumin NG acabou e não será mais atualizado".

***

Atualização #2:
Outro post no mesmo dia, confirmou a "morte", o fim do Kurumin NG:
http://www.kurumin-ng.com.br/?p=28

***

Manter uma distro Linux não é fácil... Outra que existem tantas e tantas distros... Mas também não dá pra criticar quem "cria" mais uma, afinal viva a liberdade e que vençam as melhores, mesmo que num pequeno nicho. Ninguém é obrigado a agradar ninguém, ainda mais quando faz algo de graça, por gostar da coisa, e quer compartilhar com boas intenções "no estado em que se encontra" e "a quem possa interessar". As distros Linux são mais ou menos assim, com exceção das grandes, mantidas ou patrocinadas por empresas. E ainda assim olhe lá, veja o que deu com a Conectiva. Não vi a compra dela como um ponto positivo. O Mandrake já era famoso e fácil de usar, não precisava "roubar" a Conectiva para virar o Mandriva que é hoje. Talvez o dinheiro, e/ou a falta de tempo mesmo, falaram mais alto - como quase sempre.

Algo parecido tem acontecido com meus programas, oh quem fala rsrs. Se bem que não se comparam ao trabalho de manter uma distro. O Mep Texto, por exemplo, que foi criado do zero (usando componentes de terceiros e o Delphi, porém criado do zero, afinal os componentes não são nada sozinhos). Há um bom tempo não tem uma versão nova "estável", a minha é um eterno "testing" que continuo usando fielmente (compilada há uns 2 meses, mais atual do que a que consta no site), mas por falta de tempo ainda não empacotei para lançar. O problema com Unicode também me desanimou um pouco. Dá pra dizer que o programa está abandonado ou sem rumo definido, como começou a acontecer com o Kurumin NG.

Voltando ao tema. Em 2008 o país perdeu uma grande distribuição, o Kurumin, que era mantido basicamente pelo Carlos Eduardo Morimoto, do Guia do Hardware. Tempo para se dedicar como a distro merecia e falta de cooperação do público foram alguns dos pontos apontados como a saída do Morimoto do projeto. Seja lá como for, o Kurumin fez no Brasil o que a Conectiva não conseguiu (até conseguiria, mas se rendeu a uma fusão), sem ter uma empresa por trás. O sistema começou como uma personalização do Knoppix para rodar em mini-CDs. Veja o começo no final desta página, lendo de baixo para cima (no ponto que data "14/01/2003"), caso queira matar saudades:

http://www.gdhpress.com.br/kurumin/change-log/

Desvinculando o nome do GdH, o Leandro Santos lançou o Kurumin NG para ficar no lugar, que apesar do nome não mantinha ligações com o Kurumin baseado no Knoppix e sim com o Kubuntu. Knoppix esse que também largou a base antiga, excluindo o KDE na sua versão 6.0 - será que foi uma recusa devido ao KDE 4? Veja sobre o lançamento do Knoppix 6.0 e o que mudou, numa notícia minha hoje no GdH.

Mas enfim:

A distro que parece morrer agora é o Kurumin NG, que não é mais atualizado a tempos e ainda não teve um pronunciamento oficial, como vem sendo reportado por usuários no fórum do GdH:

http://www.guiadohardware.net/comunidade/kurumin-havera/940375/

Particularmente não curto muito o Ubuntu, e o Kurumin NG é baseado no Kubuntu - Ubuntu com KDE. Independente de gostar ou não, o sistema ficou um pouco mais pesado, e sem a originalidade do Kurumin antigo, que se manteve fiel até a versão 7.0. Seria um Kubuntu com ícones mágicos, não desmerecendo o trabalho para tornar a distro diferente.

E assim o Brasil vai perdendo grandes distros.

Algumas alternativas de Linux nacionais para quem se sente desamparado, citadas no fórum mesmo:

BigLinux (talvez o mais próximo do Kurumin 7)
DreamLinux
Resulinux (pt.wikipedia.org/wiki/Resulinux, eu não linko mais pra Wikipédia - ou se o faço é com nofollow)
Famelix (pt.wikipedia.org/wiki/Famelix)

Vamos ver quais destas, ou outras, se manterão.

Pessoalmente eu teria (ou tenho) muita vontade de ver um Kurumin 8 atualizado com KDE 4 (KDE 4.2, por favor rs, caso contrário pode renomear pra Gurumin ou ficar com o KDE 3.x), mantendo o sistema de detecção de hardware e inicialização que ele tinha, etc. Digamos que me apaixonei pelo Knoppix/Kurumin por se diferenciarem radicalmente de outras distros e serem fáceis de usar. Hoje o Ubuntu também roda como liveCD, mas é diferente, e muuuito mais pesado - eu que vivi por anos com o Pentium II 266 MHz com 160 MB de RAM e HD de 10 GB sei bem (destaco ainda a placa de vídeo com 1 MB de RAM, uma Trident 968X alguma coisa). Algumas coisas eu não gostava, como os ícones mágicos para instalar programas; achava bobeira, raramente usei; vejo que vale mais a pena ensinar a pescar usando o apt-get ou dpkg e pegar programas atualizados do que dar o peixe já temperado e frito. Todavia eram bem vistos e bem comentados pelos mais leigos, pessoas que temem a tela preta do prompt de comando.

Fazer um remaster do Kurumin atualizado não é difícil, fiz vários no final do ano passado até chegar a um relativamente "legal", sem os ícones mágicos mas mantendo as "gambiarras" (como os scripts de detecção e outras coisas para solucionar problemas), mas... Não valeria a pena sem uma força de vontade em manter o sistema, e tempo, muito tempo. Além de paciência para aguentar as críticas. Se soltasse seria uma ISO isolada, sem comprometimento, o que não teria nada de utilidade. Qualquer um com um conhecimento médio de Linux pode pegar uma distro pura (como Debian, não digo necessariamente o Slackware) e ir personalizando ela até estar do seu gosto. Se for para uso pessoal, um backup da partição geralmente ajuda, sem precisar "criar uma distro" para manter as opções.

Enfim, pelo visto, adeus Kurumin NG. Usem Ubuntu, Fedora, CentOS, Mandriva, Debian, openSUSE, Slackware... Ou Windows rs. Estas devem se manter por anos e anos sem decepcionar.

Foi lançado o KDE 4.2, mais estável, mais produtivo

Publicado em 27/01/2009 • Linux, kde, NotíciaPostar comentário »

por Marcos Elias

Saiu hoje o KDE 4.2. Ele está bem melhor, pelo que diz no site e pela reação inicial dos entusiastas. É algo natural até: o 4.2 melhor do que o 4.1, que estava melhor do que o 4.0.x, e que estava melhor do que a tranqueira do 4.0 - que nasceu prematuro.

Particularmente sempre gostei do KDE, ficava desejando ao extremo um KDE para Windows (visto que uso Windows a maior parte do tempo). Quando vi rumores de que o 4 rodaria no Windows me animei, mas o sonho caiu completamente por água baixo quando, lendo mais a fundo, vi que não seria bem a interface, e apenas os frameworks e os programas.

Faz algumas semanas que estou sem Linux instalado no HD, tirei para colocar o Windows 7 beta. Isso que estou com 3 HDs! (a saber, um de 250 GB IDE e dois SATA II de 160 GB cada). Aquele HD de 2 TB da WD (mais no GdH) cairia super bem aqui no meu PC. Nesse parágrafo aproveitei para introduzir o linkae.com.br :) Não vai ter anúncio formal pois é um projeto piloto, "beta", substituindo projetos cancelados (como o blog da galera).

Voltando ao assunto, assim que der vou rodar o KDE 4.2 para sentir na prática como ele está. Aos interessados, dois vídeos, e dois links :)

http://www.kde.org/announcements/4.2/guide.php

http://www.kde.org/announcements/4.2/

Como trocar a pasta home de um usuário no Linux

Publicado em 27/11/2008 • geek, LinuxPostar comentário »

por Marcos Elias

Pode ser interessante mover a pasta home de um usuário específico, sem influenciar os outros. Isso pode ser feito num sistema caseiro por qualquer motivo, como para movê-la para outra partição (desde que esteja montada quando o usuário for usar a pasta).

Num servidor web você pode desejar isso para apontar a pasta home do usuário diretamente para sua pasta da web, por exemplo, em vez de ver o diretório /home/joao ao acessar por SSH com a conta "joao", ele já poderia cair no /var/www/html/joao.

Uma forma rápida que achei no Linux foi editando diretamente o arquivo /etc/passwd, que guarda os nomes de usuário da máquina. A entrada do usuário poderia ser algo como:

nomedousuario:x:501:502::/home/nomedousuario:/bin/bash

Troque /home/nomedousuario pela nova pasta, e salve o arquivo. Quando o usuário fizer login, ela será usada.

É bom alterar as permissões da nova pasta para valer para o usuário:

# chown -R usuario.usuario /var/www/html/usuario

Trocando no texto acima o "usuario" pelo nome do usuário desejado, e no último parâmetro indique a pasta.

Numa instalação do CentOS que fiz, não foi preciso reiniciar a máquina, apenas reiniciar a aplicação cliente de FTP, que por algum motivo não quis funcionar com a nova pasta de imediato. Valeu tanto para o SSH como para o vsftp. Se não funcionar de imediato, tente reiniciar :)

Coloque o Ubuntu para rodar num pen drive facilmente

Publicado em 10/11/2008 • Linux, Ubuntu4 comentários »

por Marcos Elias, publicado também no GdH

Gravar o Ubuntu ou seus variantes oficiais num pen drive nunca foi tão fácil. O USB-Creator cuida da tarefa, com um assistente fácil de usar. Ter uma distro num pen drive é um recurso importante para quem vive mexendo em outros computadores, além da grande portabilidade proporcionada.

Você precisa da imagem ISO do sistema (ou do CD), que pode ser baixada de graça no site do Ubuntu (ou Kubuntu, Xubuntu, etc), e do usb-creator. O usb-creator já vem no Ubuntu 8.10, mas pode ser baixado e instalado no 8.04. Em breve deverá sair também uma versão para Windows e uma baseada em Qt.

Basicamente basta conectar o pen drive, apontar a imagem ISO e clicar num botão :) Ele faz praticamente tudo sozinho, salvo algumas poucas observações. Você pode definir se quer que os dados modificados no sistema sejam gravados no pen drive, ou se eles deverão ser descartados - assim como ao rodar a partir de um liveCD.

Leia mais num breve artigo publicado num blog dedicado ao Xubuntu (em inglês):

http://xubuntublog.wordpress.com/2008/11/07/ubuntu-from-your-flash-drive-easier-than-ever-before/